Profile Main Image

Julio Porto

Visitaremos um novo plano depois de Guerra da Centelha

Guerra da Centelha será a terceira coleção consecutiva de Magic: The Gathering que será ambientado no mundo de Ravnica, mas e o novo set que virá neste outono?

O próximo set será War of the Spark ou Guerra da Centelha será a terceira coleção consecutiva de Magic: The Gathering que será ambientado no mundo de Ravnica, mas e o novo set que virá perto do fim do ano? Onde será a sua história? Bem, de acordo com o designer-chefe da Magic, Mark Rosewater, *depois do Core Set 2020 estaremos visitando um novo plano*, mas ele não revelou o que é ainda. Aqui está sua resposta completa no artigo da Wizards of the Coast: "Depois de War of the Spark é o Core Set 2020. Então, em outubro, nós vamos visitar um novo plano. Eu não posso te dizer nada sobre isso, já que estamos um pouco longe, mas posso dizer que é um conjunto que venho tentando fazer há mais de uma década, e estou muito empolgado com o resultado. " É ótimo ouvir que o Rosewater está animado para o próximo set e o fato de que eles estão tentando fazer isso por mais de uma década deve significar muito. Afinal, no início deste ano, ele disse que está animado para três novos conjuntos de Magic que estão chegando este ano, e esse set é definitivamente um deles. [image](https://img.scryfall.com/cards/large/en/ori/60a.jpg?1527690191) Onde você acha que será definido? O plano onde Jace nasceu? Vryn no caso. Ou algum lugar que nunca ouvimos falar antes? *Referências* [link](https://magic.wizards.com/en/articles/archive/making-magic/where-its-2019-03-11)(Wizards of the Coast)

Compartilhe:

Profile Main Image

Julio Porto

Ilustrador/Designer da Cards Realm. Jogo Magic desde os 11 anos de idade, quando comecei com o deck de iniciante da sétima edição que vinha com os saudosos Orgg Treinado e Vizzerdrix (que eu achava poderosíssimos!! Hahaha). Venho aqui apenas jogar aquela conversa boa e novidades do Magic.

Social: Instagram

User profile image
Profile Main Image

Rafael Xavier

Ban do KCI e agora?


Como todos sabem em 21 de janeiro de 2019 a Wizzards baniu o KCI (Krark-Clan Ironworks) do modern gerando uma profunda mudança no formato. [image](https://img.scryfall.com/cards/large/front/c/6/c60174d6-1f9d-4870-b3db-34d6fcb3f6ab.jpg?1564535860) Antes do ban, o deck vinha ganhando mais e mais popularidade graças aos excelentes resultados alcançados por diversos profissionais com maior destaque para Matt Nass. Matt conseguiu alcançar números surreais com o KCI, como uma winrate de 80%! (Detalhe, o cara fez 3 top8 seguidos ganhando 2 deles com esse deck). [link](https://magic.wizards.com/en/events/coverage/gplv18-modern/top-8-decklists-2018-06-16)(GP Las Vegas, campeão) [link](https://magic.wizards.com/en/events/coverage/gphar18/top-8-decklists-2018-04-15)(GP Hartford, campeão) [link](https://magic.wizards.com/en/events/coverage/gppho17/top-8-decklists-2017-10-29)(GP Phoenix, Top4) Mas na verdade ninguém mais tinha uma winrate tão elevada, pois o deck era extremamente difícil de se jogar com, porém, ainda assim não era preciso ser nenhum piloto formidável para ter uma winrate acima de 50% uma vez que em diversas situações o deck “ganhava sozinho”, era apenas necessário que o jogador tivesse memorizado o passo a passo do combo e fim de jogo. Assim como o deck era extremamente difícil de jogar com também era extremamente difícil de jogar contra, o oponente sempre ficava com um pé atrás de quando que o KCI iria iniciar o combo, sempre ficava a dúvida em qual criatura deveria dar a remoção, em qual situação responder a o quê, quando quebrar relic of progenitus ou quando usar o surgical extraction, o que tirar com o descarte, ... , enfim, as dúvidas eram diversas e inevitavelmente o jogador do KCI se beneficiava desta situação. O deck conseguia combar tranquilamente no turno 4, com alguma sorte no turno 3 (com uma mox opal ou com uma mind stone no turno 2) ou até com bastante sorte no turno 2 (com duas mox opal) e ainda assim caso o combo não viesse no início do jogo o deck tinha um bom late game com muito card draw, recursão e remoção na forma de explosivos fabricados. A interação do explosivos com o Scrap Trawler era fortíssima pois na situação em que tem-se os dois em campo sendo o explosivos para 1 ou 2 e adicionalmente algum egg (chromatic star, terrarion ou ichor wellspring), ao estourar o explosivo este iria destruir as permanentes desejadas do board do oponente além de garantir 1 draw vindo do egg e por fim teria o trigger do Scrap Trawler pelo egg destruído possibilitando o retorno do explosivo para a mão para usar de novo, e de novo e de novo, .... Decks de criatura como o humanos tinham grande dificuldade caso no sideboard não viessem com cartas como Gaddock Teeg para segurar o explosivos e mesmo assim nem sempre este era suficiente devido às cartas que o jogador do KCI trazia do side como Bolt. Era sempre preciso conciliar interação (nesse caso com o Gaddock Teeg, Meddling Mage, Thalia e Freebooter) com pressão para conseguir vencer o KCI, caso não houvesse uma combinação de ambos o deck eventualmente superaria as interações ou poderia simplesmente ser mais rápido do que o oponente. [image](https://img.scryfall.com/cards/large/front/6/8/68abc75f-596f-4169-96fc-ada941ef47ed.jpg?1543701084) À medida que o baralho começou a fazer bons resultados e o meta começou a mudar em direção a esta match, ou seja, os decks que possuíam maior conciliação entre pressão e interação se mantiveram no topo do formato enquanto os demais foram perdendo espaço, esta tendência também acabou gerando alterações no KCI, sendo a mais significativa a adição de 1 Sai, Master Thopterist nas 60 iniciais e mais 2 no side. Sai era uma carta que trazia enorme resiliência para o deck pois criava inúmeros bloqueadores com voar e ainda era uma fonte de draw caso necessário, Sai era uma gigantesca fonte de card advantage que eventualmente acabava sufocando o oponente em recursos. Desvirar suas permanentes com um Sai em campo era quase sinônimo de vitória. Aos poucos o formato foi se moldando e chegando a uma situação em que se o deck não conseguia vencer do KCI então ele não era uma boa opção. Decks como [link](https://cardsrealm.com/metagame/modern/Jund)(Jund), Titanshift, G Tron, Eldrazi Tron tinham partidas muito difíceis e aos poucos passavam a ter menos representatividade no cenário competitivo enquanto decks como [link](https://cardsrealm.com/metagame/modern/Spirit%20Aggro)(Espíritos), o novato [link](https://cardsrealm.com/metagame/modern/UR%20Aggro)(Izzet Fênix), Hardened Scales (em substituição do Affinity tradicional) e até mesmo alguns Infect eram mais jogados devido à boa partida contra o deck. Até baralhos bons em interagir e gerar pressão como o [link](https://cardsrealm.com/metagame/modern/Grixis%20Death's%20Shadow)(Grixis Death’s Shadow) não tinham uma partida tão fácil contra o KCI uma vez que este usava 4 Grove of the Burnwillows o que dificultava em muito a perda de vida e consequentemente reduzia a pressão. [image](https://img.scryfall.com/cards/large/en/ima/238.jpg?1530592706) Essa situação em que um deck se torna o centro das atenções não é e nunca foi do agrado da Wizzards então o ban era um tanto quanto previsível. Sempre que algum deck se destaca demais e o formato começa a ser moldado para vencer aquela partida em específico a Wizzards desce o martelo do ban para acabar com a “palhaçada” e manter o formato o mais diversificado possível. Isso já aconteceu diversas vezes anteriormente, exemplos recentes são o [link](https://cardsrealm.com/metagame/modern/Dredge)(Dredge) e o Splinter Twin. Além disso, o KCI era um deck que exigia um conhecimento muito específico das regras e não era atrativo para novos jogadores que muitas vezes ficavam confusos e cometiam os maiores erros na partida. Como o Magic precisa de novos jogadores a todo o momento para se manter crescendo ter um deck como este no (quiçá) melhor formato não é uma boa estratégia. *E agora?* E agora com o ban, o que fazer? Se eu jogava de KCI qual deck devo usar e se eu jogava com outro deck, devo manter ou devo mudar já que o meta vai se ajustar? Desde o ban do KCI só tivemos um GP modern e por isso nossa avaliação do meta ainda não é conclusiva, muita coisa ainda pode acontecer. O [link](https://www.channelfireball.com/grand-prix-los-angeles-top-8-decklists/)(Top8 do modern GP LA) no início de março/2019 foi: Titanshift, Izzet Fênix x2, Dredge x2, Hardened Scales x2 e Grixis Death’s Shadow. Teoricamente os decks mais bem posicionados no meta após o ban do KCI são o Dredge e Izzet Fênix, campeão do último GP modern, também muito bem posicionados porém um degrau abaixo estão Grixis Death’s Shadow e Amulet Titan. Outro deck que está sendo muito pouco comentado e que eu gostaria de ver mais testes é o Affinity Frenzy. Na era KCI o Affinity tradicional foi praticamente empurrado para fora do formato dando espaço para a versão do Affinity Hardened Scales, agora com o fim do KCI seria possível o retorno do Affinity tradicional, ou melhor, do Affinity Frenzy. O Affinity sempre foi considerado o deck de melhor game1 do formato, o problema começava no sideboard forte principalmente caso o oponente tivesse Stony Silence. A adição de Experimental Frenzy no Affinity traz uma maior consistência para o deck no late game uma vez que com esta carta o jogador de Affinity consegue comprar diversas por turno devido à alta quantidade de cartas custo 0 e de geradores de mana (mox opal e tambor das folhas vernais), conseguindo assim mitigar uma situação em desvantagem ou se colocar ainda mais a frente em situações de vantagem. [image](https://img.scryfall.com/cards/large/front/4/b/4b8f32e2-5dc8-4f1b-8a69-d3ae06378ed8.jpg?1538879399) Outros decks como Burn (com recentes cartas novas), Jund e Tron são sempre escolhas seguras para um formato ainda em definição, sempre se espera encontrar pelo menos 1 desses em grandes campeonatos e podem beliscar algum Top8. Particularmente o ban do KCI me deixou um pouco sem norte, era um baralho que vinha me dedicando bastante nos últimos meses e era completamente apaixonado pelas suas interações, após um bom tempo sem saber com o que jogar me deparei com o Amulet Titan e desde então é o único baralho que eu jogo. É um baralho muito forte que sai de situações aparentemente perdidas e que um descuido do oponente pode ser o suficiente para levar um Titan 8/6 com ímpeto, vigilância, atropelar e golpe duplo na volta, praticamente fim de jogo. O baralho possui algumas silver bullets únicas no side como Vespa Rainha e Ruric Thar que muitas vezes ganham o jogo na hora em que são jogados. Entretanto o deck possui um grande problema, é provavelmente o deck mais difícil de jogar no modern, e quando digo difícil, é difícil de verdade, é preciso pensar as jogadas desde o turno 1, qual terreno jogar e em qual ordem é de enorme importância para o deck e pode fazer toda a diferença entre vencer ou perder, então certamente não é um deck que eu indicaria para uma pessoa que não gosta de jogar com um deck só (é preciso muito treino) ou que não está a fim de ficar fazendo inúmeras contas o jogo inteiro. Para os saudosos do KCI as notícias não são tão ruins, recentemente Piotr Glogowski, também conhecido como [link](https://cardsrealm.com/metagame/modern/KCI)(Kanister), vem testando um deck de artefato à semelhança do KCI utilizando Bigorna da Semelhança e Estação de Trituração para vencer o oponente com um combo de mill. O deck ainda precisa de muitos testes e eu não o recomendaria para um grande torneio, mas para um FNM pode ser muito divertido. [image](https://img.scryfall.com/cards/large/front/0/3/0380b46d-1660-404d-9d11-705d8809ea46.jpg?1562814119) [image](https://img.scryfall.com/cards/large/front/d/f/df1df511-b52c-45cd-9503-ffce4271a802.jpg?1562880250) Qual a opinião de vocês sobre o KCI, o ban foi justo ou não? E quais os decks que vocês acreditam estar no topo do meta e qual a opção mais segura para o GP SP? Abraços!

Compartilhe: