Profile Main Image

Ari Ferreira

Snow Goblin Aristocrats no Pauper

Sabe aquela vontade de jogar com um deck rogue? Confesso que já fazia um bom tempo que eu não sentia, mas o Goblin Aristocrats despertou esse sentimento adormecido.

Fala galera o/ Aqui é o Ari e no artigo de hoje analisaremos um deck Rogue do formato: O Goblin Aristocrats. Recentemente eu apresentei no [link](https://youtube.com/manadelver)(canal Mana Delver) a lista do jogador [link](https://www.mtggoldfish.com/player/aokis)(aokis) que fez 5-0 em uma liga do MTGO. [deck](13131) Meu objetivo é falar sobre as mudanças que eu fiz nessa lista para adaptá-la ao meu estilo de jogo, mas antes, como eu procuro escrever artigos para todo os níveis de jogadores, eu gostaria de comentar uma curiosidade sobre o nome do deck. Normalmente classificamos como Aristocratas os decks que utilizam o sacrifício de criaturas como principal estratégia para gerar valor e vencer suas partidas. Essa nomenclatura surgiu na época do Standard de Innistrad com as cartas [card](Falkenrath Aristocrat) e [card](Cartel Aristocrat). Desde então já surgiram diversos decks, em diversos formatos, que receberam o nome Aristocratas. No Pauper temos o Golgari Aristocratas que é um deck bem conhecido no formato, mas o fato dele não possuir nenhuma carta que faz menção ao nome Aristocratas, pode confundir quem não conhece a origem da nomenclatura. [image](https://cardsrealm.com/images/cartas/en/dka-dark-ascension-falkenrath-aristocrat-138.jpg) [image](https://cardsrealm.com/images/cartas/en/gtc-gatecrash-cartel-aristocrat-150.jpg) *A arte de jogar com decks rogues* Sabe aquela vontade de jogar com um deck rogue? Confesso que já fazia um bom tempo que eu não sentia, mas o Goblin Aristocrats despertou esse sentimento adormecido. Eu sempre me interessei por jogar com decks criados em torno de cartas menos populares. Colocar meu deck building em ação, fazer diversos testes e acompanhar a evolução obtida com as mudanças, vencer decks consolidados do formato e receber o feedback positivo de outros jogadores são alguns exemplos das motivações que me fazem gostar de jogar com esses decks menos competitivos. No Pauper, já brinquei muito com o Rakdos Madness, Suicide Black, Eggs... Eles não me trouxeram ótimos resultados, mas certamente todos me trazem recordações de bons momentos que vivi no MTG. Para quem não conhece o deck, resumidamente o Goblin Aristocrats utiliza diversos goblins que através de cartas como [card](Goblin Chirurgeon) e [card](Goblin Sleeder) podem ser sacrificados para interagir com outras cartas do deck como [card](Mortician Beetle) e [card](Falkenrath Noble). [image](https://cardsrealm.com/images/cartas/en/me1-masters-edition-goblin-chirurgeon-94.jpg) [image](https://cardsrealm.com/images/cartas/en/c17-commander-2017-falkenrath-noble-113.jpg) Obs.: Deixarei um vídeo com mais detalhes sobre o deck no final do artigo. *O Inverno Pauper* Atualmente o Pauper vive um momento em que muitos decks estão utilizando o Arcum's Astrolabe para corrigir a base de mana e de quebra tentam explorar a carta com alguma outra interação. Insatisfeito com algumas peças do deck, e sofrendo principalmente com a base de mana, decidi seguir a tendencia do formato e apelar para a base de mana nevada. A lista do [link](https://www.mtggoldfish.com/player/aokis)(aokis) utiliza 22 terrenos, e uma parte considerável deles entra virada. Apesar do deck ser um mid range, eu me deparei com diversas situações em que o fato do terreno entrar virado naquele turno me deixava em desvantagem. Atualmente eu estou jogando com a seguinte lista nevada: [deck](13052) *Base de Mana* Utilizando o [card](Arcum's Astrolabe), é possível diminuir o número de terrenos para de 22 para 19. [card](Ash Barrens) e [card](Evolving Wilds): São importantes para buscar as lands nevadas. Sou fã de Ash Barrens, mas não utilizo 4 apenas para diminuir a chances de vir com 2 na mão inicial. [card](Great Furnace) e [card](Vault of Whispers) estão no deck para interagir com [card](Kuldotha Rebirth) e [card](Krark-Clan Shaman). Existe a possibilidade de aumentar o número de terrenos artefatos e utilizar [card](Galvanic Blast) no lugar de [card](Lightning Bolt). É necessário testar para garantir que não sentiremos falta de lands nevadas para castar o Astrolábio logo no início do jogo. Artefatos A lista original utilizava apenas 6 artefatos (4 terrenos e 2 [card](Sylvok Lifestaff)). Eu optei por utilizar mais artefatos, justamente por conta de [card](Kuldotha Rebirth) e [card](Krark-Clan Shamman). A lista nevada utiliza o dobro de artefatos e ainda temos opção de utilizar mais terrenos artefatos como citei acima. Sobre os artefatos, eu enxergo a possibilidade de fazer algumas mudanças como diminuir 1 [card](Prophetic Prism) e aumentar 1 [card](Ichor Wellspring) ou talvez voltar com 1 cópia de [card](Sylvok Lifestaff) para main deck, já que percebi que o deck tem uma partida complicada contra Burn. *Remoções* Apesar do [card](Terminate) ser uma das melhores remoções do Pauper, eu optei por utilizar 2x [card](Goblin Grenade), não podia ser diferente, o deck possui muita sinergia com a carta e seu dano pode ser maximizado caso tenha um ou mais [card](Falkenrath Noble) em campo. O [card](Lightning Bolt) é importante para remover uma criatura chave do oponente ou lidar com um [card](Ephemerate). É versátil e em último caso pode finalizar o jogo. O Galvanic Blast seria uma melhoria, mas a função permaneceria a mesma. [card](Sparksmith), assim como [card](Warren Weirding)(side) são nossas remoções tutoráveis. Gosto do Sparksmith porque dependendo da situação é interessante controlar a mesa do oponente e causar muito dano como nossas fichinhas de goblins 1/1. Sem contar que as vezes o oponente gasta todas suas remoções no Sparksmith e fica sem resposta para nossas outras ameaças. *Criaturas* Apesar de jogarmos com muitas fichas de goblins "insignificantes", o deck possui criaturas que isoladamente são apenas boas, mas que ficam muito fortes quando estão juntas no campo de batalha. O [card](Goblin Chirurgeon) dá muita consistência para o nosso deck. Dificulta muito a vida do nosso oponente que sofrerá para remover nossas principais ameaças, [card](Mortician Beetle) e [card](Falkenrath Noble), caso o cirurgião esteja em campo. Regenerar qualquer uma dessas criaturas significa que além de mantê-las vivas você ainda triggou suas habilidades. Lembrete importante: Só é possível regenerar uma criatura que seria destruída, caso ela seja sacrificada ou receba marcadores -1/-1 nem tente ativar a regeneração, ok? O [card](Goblin Sleeder) está no deck junto com o Cirurgião e o [card](Krark-Clan Shaman)(side) para possibilitar o sacrifício das nossas criaturas. Se o oponente por acaso não possuir bloqueadores para o [card](Falkenrath Noble) ou [card](Mortician Beetle), é a situação perfeita para maximizar o dano do turno com o [card](Goblin Sleeder). Ele também é útil para que nossas criaturas permaneçam vivas durante as trocações dos combates. A [card](Goblin Matron) é importantíssima no deck, não tenho muito o que falar sobre a carta, apenas que utilizo 4x cópias, porque quero tê-la sempre na mão para buscar o goblin que preciso de acordo com a situação do jogo. <imagem kuldotha rebirth> E para finalizar o artigo, [card](Kuldotha Rebirth) entrou muito bem no deck dando mais sentido para a utilização do Astrolábio e servindo de combustível para os nossos sacrifícios. É sempre importante manter a mesa cheia de goblins para que o nosso deck funcione melhor. E no pós-side [card](Kuldotha Rebirth) mostrou ser uma ótima maneira de se recuperar de um mass removal. Por ter vivenciado algumas situações que eu tinha muitos goblins no campo de batalha estou cogitando a utilização de 1x cópia de [card](Goblin Bushwhacker) para ser tutorado pela Matrona nessas situações. Minha ideia é trazer pelo menos 3 gameplays com a versão nevada, se você tem interesse em ver a lista em ação se inscreva no canal para acompanhar os nossos testes. [youtube](https://www.youtube.com/watch?v=uuLKzdbmXkY&feature=youtu.be) Espero que vocês tenham curtido o artigo e caso tenham dúvidas, criticas ou sugestões não deixem de comentar, ok? Um abraço e até a próxima o/

Compartilhe:

Profile Main Image

Ari Ferreira

Analista de Sistemas em São Paulo. Jogador e produtor de conteúdo sobre MTG. Criador e apresentador do Canal e Podcast Mana Delver. Apesar de ser apaixonado pelo Pauper, também joga e aprecia todos os outros formatos.

Social: FacebookYoutubeInstagramTwitchTwitter

Profile Main Image

Diogo Leal

Novo app de realidade aumentada mostra preços de cartas


Os jogadores de Magic usam vários aplicativos e sites para descobrirem os preços de suas cartas de Magic, mas em breve poderão ter essa informação sem precisar usar os dedos para digitar. O [link](https://www.youtube.com/watch?time_continue=30&v=DVltoN1mMIo)(YouTuber BigAR) lançou um novo vídeo mostrando a nova tecnologia de Realidade Aumentada que pode informar os preços de cartas de Magic apenas olhando as cartas para detectá-las. [youtube](https://www.youtube.com/watch?v=DVltoN1mMIo) Uma [link](https://www.reddit.com/r/magicTCG/comments/cx30oo/showing_card_prices_using_augmented_reality/)(sessão do Reddit) explica o aplicativo. Kitajj relatou os desafios de criar o AR com seu sistema de reconhecimento de carta: *"Gravamos este vídeo como um experimento para ver como seria a exibição dos preços diretamente nas cartas. Embora o uso do AR para isso seja incrivelmente conveniente, também existem alguns desafios. O maior deles é recuperar os preços das cartas impressas em várias edições. Nosso sistema de reconhecimento de cartas detecta cartas em qualquer idioma, mas não é capaz de detectar a edição exata. Portanto, embora possamos mostrar preços múltiplos, isso fica estranho quando você tem cartas como Lightning Bolt com MUITOS preços diferentes."* - Explica Kitajj. Kitajj faz parte da equipe de desenvolvimento do aplicativo MTG Manager. Ele disse que já possui um AR trabalhando em seu aplicativo iOS para traduzir cartas para o inglês, mas eles só têm uma demonstração no momento para mostrar preços e animações. No entanto, eles têm planos para que isso aconteça no futuro. [link](https://apps.apple.com/app/mtg-manager/id1011839526)(O MTG Manager pode ser encontrado aqui para IOS), enquanto esperamos para a atualização. Quando perguntado se também veremos em Android o AR, Kitajj disse que a equipe de desenvolvimento é pequena, mas a pretensão é disponibilizarem nas duas plataformas. [image](https://cardsrealm.com/images/uploads/1567227036.jpeg) O que acharam? Sabiam que daqui a pouco a Cards Realm também terá seu próprio aplicativo? Queremos deixar tão bonito e útil quanto o MTG Manager!

Compartilhe:

Profile Main Image

Igor Couto

Apague o incêndio se puder


Olá pessoal tudo bem? Meu nome é Igor Couto e este será o meu primeiro artigo. Após esse momento do banimento do [card](Faithless Looting), estive pensando do que jogar agora atualmente no Modern. Já que o meu deck atual, o Monored Phoenix, sofre bastante sem o Looting. [deck](7954) Sempre fui um jogador fascinado por decks rápidos e também com interação de cemitério. Porém agora vou ter que me readaptar, pois o banimento veio com força e os decks de cemitério perderam muito. Meu primeiro deck competitivo foi um Naya Zoo, onde tinha uma mistura de criaturas rápidas com mágicas de custo baixo e dano direto no oponente. Algo que eu sempre gostei! Joguei bastante com esse deck até que apareceu outro muito parecido, porém mais eficiente. Conforme a coleção Viagem a Nyx trouxe [card](Eidolon of the Great Revel) e fez com que nascesse o Naya Burn. [deck](13926) Podemos reparar que o deck era mais focado nas criaturas, com a adição de [card](Atarka's Command) em Dragões de Tarkir. [image](https://cardsrealm.com/images/cartas/en/dtk-dragons-of-tarkir-atarkas-command-213.jpg) Mesmo sem ímpeto, Nacatl Selvagem se tornava rapidamente uma ameaça em jogo, sendo muito focada e tirando atenção das outras ameaças. [image](https://cardsrealm.com/images/cartas/en/ala-shards-of-alara-wild-nacatl-152.jpg) Na época eu estava intrigado e muito pensativo sobre esse novo arquétipo, porém assim que montei não parava mais de jogar com ele. Lembrando que Burn sempre existiu, me refiro ao deck mais atualizado, com mais eficiência e facilidade em fechar jogos rápidos, com a adição do nosso amigo espírito encantamento flamejante. Agora temos o Burn como um dos decks mais agressivos do formato, tendo em vista que o meta de agora em diante parece que vai ser mais lento e recursivo de remoções, descartes e anulas. Com a adição de [card](Stoneforge Mystic) ao formato, novas listas Midranges aparecerão e juntos Tron e UW Control crescerão no formato. Vejo novamente a possibilidade de ter que estar preparado para enfrentar esses outros decks com a mesma qualidade e consistência de antes, agora em uma versão mais recente. Segue a lista que acredito ser a melhor proposta pro futuro: [deck](13927) Agora com [card](Batterskull) vendo mais jogo, [card](Skullcrack) volta a ser essencial no main. Esta lista contém apenas uma ou duas cópias no sideboard, porém acredito que deverá voltar a ter mais cópias no main. [card](Tormod's Crypt) ou [card](Rest in Peace) eu não vejo mais necessidade de ter no sideboard, pois como escrevi anteriormente os decks de cemitério foram muito afetados e provavelmente sumirão do meta. Porém se algum persistir na sua loja local ou tem chances de aparecer em eventos grande como GPs e Opens, não desconsidere utilizá-las. [card](Deflecting Palm) é boa nesse novo meta, acredito que uma ou duas cópias ainda serão utilizadas, para conter criaturas grandes como [card](Wurmcoil Engine), [card](Ulamog, the Ceaseless Hunger) e [card](Batterskull) equipada em qualquer criatura. Ainda não tenho certeza de como o meta do Modern ficará, mas garanto que minha escolha segura é essa e acredito ser muito boa. Espero que tenham gostado e qualquer sugestões, críticas ou elogios são bem-vindos! Valeu e até a próxima!

Compartilhe: